Segunda-feira, 23 de Maio de 2011

Poema

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Hoje, dentro de mim, no sítio onde sentimos

Surgiram sentimentos que não conhecia ainda.

Brilharam aos meus olhos na obscuridade da noite

Sem qualquer pudor.

Depois, na impossibilidade de os dizer

Deixei que descessem até aos meus dedos

E assim, numa simbiose perfeita

Entre a minha pele bronzeada pelo sol de Maio

E a madeira do meu lápis de carvão

As letras foram saindo da ponta do lápis

Perfilando-se no papel, formando palavras

Numa caligrafia incerta de quem tem urgência

Em dar vazão ao que lhe vai na alma…

 

 

 

tags:

publicado por magnolia às 22:38

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Quarta-feira, 18 de Maio de 2011

Não te deixarei fugir outra vez...

 

 imagem retirada da net

 

Deixei-te fugir numa destas tardes primaveris em que o sol ameaçava já desmaiar por força do adiantado das horas. Saíste do meu peito num bater de asas suave, deixando no ar um cheiro de saudades e rosas. Depois vi-te voar em direcção ao céu azul matizado de cores pastel. Brincaste por momentos no cabo de alta tensão e depois, misturado entre andorinhas de peito branco e asas negras, desapareceste do meu ângulo de visão.

 

Sentei-me então na beira da estrada, um pouco vazia e perdida, olhando o céu na esperança de que não demorasses muito a voltar. O frio que me entrou pelos pés e me percorreu as pernas por dentro, demorou muito pouco a chegar ao ventre e depois de um breve momento de hesitação, chegou ao peito. Esse, vazio, fazia eco quando pensava no teu nome. Depois o frio cortante tornou-se vento e quando se fundiu com o eco, o barulho tornou-se ensurdecedor.

 

Depois, como se tivesse caído uma chuvada de Verão que lava a terra e as plantas e os beirais das casas e deixa tudo num silêncio dormente, fiquei em paz. Nenhuma inquietação, nenhum suspiro profundo, nenhum tremor de lábios entreabertos, nenhuma dor por detrás do esterno. Apenas o silêncio dentro do meu corpo. Nem o sangue a correr nas veias se fazia ouvir. Nada.

 

Depois daquilo que me pareceu ser uma eternidade, voltaste, e contigo as sensações antigas em catadupa. A inquietação voltou. Os suspiros voltaram. As tremuras nos lábios voltaram. A dor por detrás do esterno voltou. E com tudo isso o teu rosto também voltou a habitar o meu peito e trouxe dentro dele o teu sorriso e dentro do teu sorriso a certeza de que nunca amarei mais ninguém tão intensamente.

 

Lembrei-me então da fita que trazia no meu cabelo farto e com ela fiz um laço e prendi-te então ao braço. Não te deixarei fugir outra vez.  

 

Cláudia M.


publicado por magnolia às 17:34

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Segunda-feira, 16 de Maio de 2011

Um coração no espaço...

 

 

Sei que vais achar exagero,

mas a verdade mais transparente e mais pura

é que quando me sorris

o meu coração salta do meu peito

sobe pelo céu aberto numa corrida desenfreada

sem que eu o consiga deter,

entra na troposfera,

passa pela estratosfera

depois rapidamente pela mesosfera e termosfera

e por fim já no espaço, onde a gravidade nao o afecta

deixa-se cair, flutuando feliz por entre estrelas e planetas

percorre toda a Via Lactea 

e só depois desta viagem que parece longa

mas que não demora nem um segundo

volta a entrar no meu peito

mesmo, mesmo a tempo

de eu conseguir esboçar o gesto especial com os lábios

para te devolver o sorriso...

 


publicado por magnolia às 00:32

link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 12 de Maio de 2011

Dentro de mim

 

 

se um dia eu abrisse os meus olhos e te deixasse entrar

verias que guardo dentro de mim tantos mundos diferentes

que nem mil vidas te chegariam para os desvendar

 

 

com um sorriso pedirias então licença para lá morar.

 

tags:

publicado por magnolia às 20:58

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Domingo, 1 de Maio de 2011

Queria dizer-te...

da net

 

Queria dizer-te que quando vi a tua imagem reflectida no sol que se punha, sonolento atrás das montanhas, já quase morno por força da hora tardia, e essa imagem reflectida me obrigou a girar a cabeça num esforço quase hercúleo, pois quando vejo o pôr-do-sol tudo em volta parece desaparecer, e, ao finalmente olhar para trás vi no fundo dos teus olhos algo inexplicável, soube que tinha chegado a hora…

Bastou então esse segundo para saber que a tua imagem ficaria, para sempre, tatuada de forma indelével em mim. 

tags:

publicado por magnolia às 23:26

link do post | comentar | favorito

mais sobre mim

pesquisar

 

Fevereiro 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28


tags

todas as tags

links

leituras recentes

participe neste blog

posts recentes

Mudança de conteúdo para ...

Tenho um vestido...

Até breve.

Poema para ti, Mulher...

Partir

Não cabe em mim...

Despedida

A tua voz...

Tons de cinza...

Quarto vazio...

Não há pressa de chegar

Quase perfeito

Poema

Não te deixarei fugir out...

Um coração no espaço...

Dentro de mim

Queria dizer-te...

Saudade

Isto não é poesia...

Mendigo...

arquivos

Fevereiro 2013

Novembro 2012

Maio 2012

Março 2012

Dezembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Junho 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Junho 2009

Maio 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Junho 2007

Março 2007

Março 2006

as minhas fotos

Fazer olhinhos

blogs SAPO

subscrever feeds